Economizar energia vale o quanto pesa em TI

Redação INFO 14 de janeiro de 2009
Nenhuma empresa mais tem vocação para ser “sócia da Light”. A onda da TI verde alterou o modo como as empresas enxergam seus investimentos em TI. Uma pesquisa realizada pelo Departamento de Energia dos Estados Unidos em parceria com a...

Leia também:

Nenhuma empresa mais tem vocação para ser “sócia da Light”. A onda da TI verde alterou o modo como as empresas enxergam seus investimentos em TI. Uma pesquisa realizada pelo Departamento de Energia dos Estados Unidos em parceria com a Universidade de Stanford mostra que, nos últimos sete anos, os custos com energia aumentaram em torno de 40%. O resultado não só pesa no bolso das empresas, como está aliado a uma das grandes preocupações da atualidade: o problema do aquecimento global.


A consultoria Forrester realizou uma pesquisa no mercado americano e identificou que 38% das empresas de lá já adotaram algum critério relacionado à TI verde dentro do processo de decisão de compras de equipamentos. E mais, o estudo aponta que os investimentos nesta área chegarão a 4,8 bilhões de dólares até 2013. Mas como provar isso em números?


A Microsoft realizou um levantamento do consumo de energia em PCs na empresa para provar como o Windows Vista poderia reduzir de forma drástica os gastos com eletricidade gerada pelos computadores. De acordo com Alessandro Belgamo, gerente geral da divisão de Windows para empresas, o sistema operacional atual da Microsoft tem um índice de consumo 33% menor do que o XP. Esta redução ocorre pela melhoria nas configurações de energia disponíveis. Como padrão, o Vista disponibiliza 35 políticas diferentes para este fim.

Economizar energia vale o quanto pesa em TI

14 de janeiro de 2009


Nenhuma empresa mais tem vocação para ser “sócia da Light”. A onda da TI verde alterou o modo como as empresas enxergam seus investimentos em TI. Uma pesquisa realizada pelo Departamento de Energia dos Estados Unidos em parceria com a Universidade de Stanford mostra que, nos últimos sete anos, os custos com energia aumentaram em torno de 40%. O resultado não só pesa no bolso das empresas, como está aliado a uma das grandes preocupações da atualidade: o problema do aquecimento global.

A consultoria Forrester realizou uma pesquisa no mercado americano e identificou que 38% das empresas de lá já adotaram algum critério relacionado à TI verde dentro do processo de decisão de compras de equipamentos. E mais, o estudo aponta que os investimentos nesta área chegarão a 4,8 bilhões de dólares até 2013. Mas como provar isso em números?

A Microsoft realizou um levantamento do consumo de energia em PCs na empresa para provar como o Windows Vista poderia reduzir de forma drástica os gastos com eletricidade gerada pelos computadores. De acordo com Alessandro Belgamo, gerente geral da divisão de Windows para empresas, o sistema operacional atual da Microsoft tem um índice de consumo 33% menor do que o XP. Esta redução ocorre pela melhoria nas configurações de energia disponíveis. Como padrão, o Vista disponibiliza 35 políticas diferentes para este fim.
|quebra|
“Muitas empresas têm por política deixar os computadores ligados o tempo todo para fazer ajustes e atualizações de software durante períodos em que o funcionário está trabalhando. Uma das ferramentas do Vista é poder fazer estas modificações com a máquina em modo de dormir”, afirma Belgamo. Segundo o executivo, um computador nessas condições funciona durante 8 760 horas por ano, mas pensando numa carga horária de dez horas, trabalhando cinco dias por semana, a máquina é utilizada somente por 2 600 horas.

O estudo mediu gasto de um computador com Pentium 4 e monitor LCD de 17 polegadas. O consumo anual de um equipamento com essa configuração é de 792  KiloWatts hora no modo ocioso e apenas 32 KWh no modo de dormir. “Isso gerou uma economia de 760 KWh, o que significa algo em torno de 70 dólares por ano. Numa empresa com mil computadores, a economia pode chegar a 70 mil dólares”, diz o executivo.

Um dos principais cases globais da Microsoft é o da Continental Airlines. A habilidade de configurar definições de gerenciamento de energia, que ajudam a reduzir o rastro de carbono e o uso de energia elétrica gerou uma econimia de 58 200. De acordo com Eric Craig, gerente de TI da empresa, a economia anual de energia na implementação de 18 500 PCs será de 33 264 megawatts, quase 2 milhões de dólares.
|quebra|
O data center verde da Locaweb
No ano passado, a Locaweb anunciou a compra de um terreno de 26 mil metros quadrados para a instalação do seu novo data center. Ele começará com cerca de 25 mil servidores, mas tem capacidade para abrigar 100 mil. Para efeito de comparação, o site atual da empresa - que foi inaugurado em 2006, mas já está lotado – possui 3,2 mil servidores. Uma das principais preocupações do novo centro a melhoria do processo de refrigeração. “Os equipamentos de ar condicionado utilizados para resfriamento consomem em torno de 44% da energia total gasta pelo data center”, afirma Felipe Cabalero, gerente de data center da Locaweb.

Na parte de equipamentos, a empresa trabalha muito na atualização de hardware que esquentam menos, além de usar tecnologias como a virtualização para uma alocação mais eficiente dos equipamentos. Cabalero lembra que o aquecimento do data center não varia muito, mas que o desempenho são bem melhores. “Hoje temos equipamentos com um desempenho de três a quatro vezes maior do que o que tínhamos a pouco tempo e que consomem a mesma energia. Os equipamentos são responsáveis por cerca de 20% do consumo da energia do data center”, diz.

Uma das estratégias da empresa diminuir o gasto com energia é a utilização de recursos naturais, principalmente o charmoso friozinho paulistano. Segundo Cabalero, a temperatura média anual da cidade é de 21 ºC e boa parte do ano é possível utilizar o próprio ar do ambiente para refrigerar os equipamentos, o chamado Fre-e cooling. Outras iniciativas ambientais da Locaweb trabalham com a reciclagem de recursos, principalmente a água. “A água utilizada no resfriamento será tratada e reutilizada numa piscina aquecida que teremos no novo terreno e também no restaurante”, diz Cabalero.
|quebra|
A calculadora da Nortel
Um dos diferenciais da fornecedora de equipamentos de redes é a sua Calculadora de Consumo de Energia. Com ela, a Nortel mostra aos seus clientes o quanto eles vão cooperar com o meio ambiente e economizar no final do ano. De acordo com dados da  IDC, repassados pela Nortel, estima-se que 12% a 15% de toda a energia gasta pelas empresas tem sua origem na infraestrutura de redes.

A instituição de ensino Ibmec São Paulo resolveu reformular seus equipamentos de rede em busca desta economia, que envolveu aparelhos de telefone e swtiches. De acordo com a Nortel, a economia com a configuração utilizada pela instituição ficou em 102,5 mil reais.

Além do investimento em uma nova infraestrutura, a Ibmec mantém um grupo que procura conscientizar alunos e colaboradores em relação às melhores práticas de convívio dentro da escola. As campanhas têm como objetivo eliminar desperdício de recursos como papel, energia, água e com manutenção de patrimônio.