Asha 311 é o smartphone compacto e barato

Com configurações muito simples, ele faz o básico gastando pouco

• 8 de outubro de 2012
Avaliação
6.9 /10
379.05 reais
asha 311 asha 311 asha 311

nossa avaliação

prós Preço bom e interface simples
contras Baixa configuração; fotos e filmagem de má qualidade; eventuais problemas com a bateria
conclusão Boa opção para quem precisa de um smartphone para estar sempre conectado à internet mas não pode gastar muito dinheiro ou não se interessa por um aparelho topo de linha

ficha técnica

  • Nokia Série 40
  • Chipset Qualcomm Snapdragon MSM8255T
  • CPU ARM v7 Qualcomm Scorpion 1 GHz
  • 128 MB de RAM
  • 3G, Wi-Fi, Bluetooth
  • 240 x 400
  • 3”
  • 5,2 x 10,6 x 1,34 cm
  • 97 g
  • 9h40 de bateria
Avaliação de

Quem procura um smartphone como o Asha 311 já sabe que ele não é um topo de linha. Passa bem longe de poder ser comparado a um Galaxy S III ou iPhone; até dos intermediários ele fica bem atrás. O smartphone da Nokia é um bom aparelho de entrada para quem quer se conectar à internet de qualquer lugar, mas não pode gastar muito em um mais sofisticado.

Toda a linha Asha é composta por smartphones desse tipo. O foco da publicidade da Nokia para ele é no público jovem, adolescente, que quer estar conectado às redes sociais o tempo todo. Os celulares vêm em diversas cores e há vários modelos, alguns até com teclado físico. Não é o caso do 311, que tem apenas botões para ligar, desligar e receber chamadas, atender ligações, aumentar e diminuir volume e bloquear a tela.

É bem pequeno, na contramão da tendência atual de aparelhos com telas grandes. Mede 5,2 por 10,6 por 1,34 centímetros e pesa 97 gramas. É até esquisito de segurá-lo e dá impressão de que irá quebrar facilmente. A estrutura não ajuda a passar segurança: ele é todo feito de plástico, com uma faixa metalizada na parte inferior, que parece ser mais resistente que a tampa da bateria.

Falando nela, houve problemas nos testes do INFOLab. Para começar, a bateria não fica bem presa ao aparelho; ao remover a tampa, ela cai facilmente. Talvez por causa disso, tivemos uma experiência desagradável de mau contato. O celular foi colocado para carregar e apareceu na tela a indicação de que isso estava acontecendo. No entanto, no dia seguinte, o smartphone estava com a bateria zerada. Foi necessário remover e recolocá-la para conseguir uma carga eficiente. Com a bateria completa, foi alcançada a duração de nove horas e 40 minutos em chamada, com Wi-Fi e Bluetooth ligados.

Ele vem com o sistema operacional Nokia Série 40. A interface é bem simples de mexer e intuitiva. Chega a lembrar o Android em algumas funções, como acessar o menu de configurações rápidas deslizando o dedo de cima para baixo. Quanto aos aplicativos nativos, entre os mais úteis estão um leitor de RSS, Facebook, Orkut, Twitter e diversos jogos. Um deles, o Maze, precisa do acelerômetro e roda muito lentamente, pois o hardware do smartphone não ajuda. Ele conta com chipset Qualcomm Snapdragon MSM8255T, CPU ARM v7 Qualcomm Scorpion de 1 GHz, GPU Adreno 220 e memória RAM de 128 MB. Essa configuração faz com que ele tenha potência para as tarefas básicas que promete, como navegação e uso de aplicativos. Ocorreram engasgos nos testes do INFOLab em transições de telas e na execução de aplicativos.



O espaço de armazenamento interno é de 256 MB, mas o Asha 311 tem suporte a cartões microSD (2 GB incluso). Além dele, só uma porta microUSB e uma P2 para fone de ouvido - ou seja, as conexões também são básicas, apenas para transferir arquivos para o computador e carregar a bateria. Também tem Bluetooth, suporte a 3G e Wi-Fi.

A tela é pequena, de apenas 3 polegadas, mas responde bem aos toques. Tem proteção Corning Gorilla Glass, o que deve garantir uma resistência maior e evitar riscos. Mas a resolução é de 240 por 400 pixels e 56k cores, ou seja, passa longe de ser uma maravilha, mesmo em comparação a outros smartphones dessa categoria.

Outro aspecto que deixa o Asha 311 defasado é sua câmera. São 3,15 MP que permitem fazer fotos com resolução de até 2.048 por 1.536 pixels e vídeos VGA a 25 fps. A qualidade das imagens é sofrível, até quando comparada com outras câmeras de de mesma resolução. As fotos ficam escuras, com baixa definição e cheias de deformidades nas cores. É difícil captar detalhes com a câmera, inclusive usando o modo Macro; todas as fotos saíram embaçadas e com cores alteradas.

Reviews relacionados

///

Smartphones

Optimus L3 tem boa memória interna e preço acessível

05/09/2012

Aparelho roda o Android 2.3 em tela de 3 polegadas

Review completo »
7.0/10
386.00 reais

Comentários

///
10 Impecável. O produto é perfeito. Não há nada a ser melhorado.
9,0 - 9,9 Ótimo. Qualidade excepcional. É difícil, mas não impossível, aperfeiçoar alguma coisa.
8,0 - 8,9 Muito bom. Satisfaz as necessidades do usuário e é bastante superior à média do mercado.
7,0 - 7,9 Bom. Atende bem às necessidades do usuário, embora tenha alguns pontos fracos.
6,0 - 6,9 Médio. Seus pontos fortes superam as falhas e ele atende à maioria das necessidades.
5,0 - 5,9 Regular. Pode ser uma solução satisfatória para alguns usuários.
4,0 - 4,9 Fraco. Embora possa ser útil em algumas situações, o produto tem problemas substantivos.
3,0 - 3,9 Muito Fraco, As falhas são graves, anulando os eventuais pontos fortes.
2,0 - 2,9 Ruim. Não há atrativos a destacar; só pontos fracos.
1,0 - 1,9 Bomba. O produto é tão ruim que é difícil achar utilidade para ele.
0 - 0,9 Lixo. Você não deve aceitar esse produto nem de graça.