V9 é o tablet com Android 2.1 da ZTE

Aparelho funciona como telefone, mas tem tela resistiva e processador fraco

• 30 de julho de 2011
Foto: Rafael Evangelista
Avaliação
6.5 /10
799.00 reais
ztev9pad

nossa avaliação

prós Boa empunhadura; funciona como telefone;
contras Tela pequena e do tipo resistiva; configuração fraca; sistema Android de smartphone; lentidão na execução de algumas tarefas;
conclusão Opção mais econômica para quem quer um tablet;

ficha técnica

  • Tela de 7"
  • Qualcomm MSM7227 600 MHz
  • 512 MB + 4 GB (microSD)
  • 3G, Wi-Fi
  • 11,1 x 19,7 x 1,8 cm
  • 393 g
  • Android 2.1 Eclair
  • 4h24min de bateria

Tags: Android, Tablets, ZTE

Enquanto os tablets nacionais beneficiados pelo novo regime tributário não se materializam, o V9 é um dos poucos modelos disponíveis no varejo por menos de mil reais. Seu principal apelo é o formato compacto, que permite segurá-lo facilmente com uma mão e tocar a tela de 7 polegadas com a outra. Se estiver com um SIM card, o V9 navega na internet sem depender apenas do Wi-Fi e funciona como telefone. No INFOlab, foi boa a qualidade das chamadas com o headset que acompanha o modelo. Fora isso, a comparação com qualquer recurso de um tablet mais sofisticado é desfavorável para o ZTE. A combinação do Android 2.1 Eclair, sistema concebido para smartphones, com a configuração fraca e o LCD do tipo resistivo tornam frustrante a experiência de uso. É preciso forçar a tela para acionar os ícones e, frequentemente, há lentidão na execução das operações.

Quem olhasse para as especificações do ZTE V9 sem prestar atenção na classificação do aparelho talvez pensasse que se tratava de um smartphone grandalhão. O processador Qualcomm MSM7227, de 600 Mhz, os 512 MB de RAM e os 4,5 GB de memória (capacidade interna somada ao microSD de 4 GB incluso) realmente não impressionam nos dias de hoje. Não dá para exigir muito de um tablet com essa configuração, mas ele consegue fazer o básico, como navegar na internet e executar alguns jogos.

Também não ajuda o fato de que o Eclair não está entre os Androids mais rápidos, pois as versões mais novas receberam upgrades de otimização de performance. Apesar de ter recebido uma customização gráfica personalizada, a versão utilizada pelo V9 não se equipara ao Honeycomb, que foi projetado para tablets. Entre as adições ao Eclair padrão encontramos atalhos para o menu principal, para realizar ligações e para acessar mensagens e e-mails. Há ainda um widget que facilita o controle de aspectos como brilho da tela, sincronização automática, Wi-Fi, Bluetooth e GPS.

Ainda assim, o sistema tem seus pontos positivos. O media player reconhece uma boa variedade de arquivos de áudio, dando conta de MP3, WAV, M4A, MID, OGG e AMR. Ele também executa vídeos em MP4 e 3GP, mas não em HD. Por outro lado, ele não possui leitores nativos de arquivos Office e de PDF, que deve ser baixados.

Outro problema é a bateria, que aguentou apenas 4 horas e 24 minutos de execução contínua de um vídeo de 640 x 480. Com apenas uma micro USB e uma saída P2, não espere utilizar esse tablet como seu principal reprodutor de mídia.

A câmera pode não impressionar por sua resolução de 3,2 MP ou por sua qualidade de imagem, mas permite uma quantidade razoável de ajustes. É possível escolher a frequência das fotos (auto, 50 Hz, 60Hz), o codec de vídeo (MPEG4, H.263 e H.264) e o codec de áudio (AMRNB, QCELP, EVRC e AAC).

O teclado virtual, que não chega a ocupar metade da tela, não apresenta nenhuma novidade. Ele possui recurso Swype de autocorreção e sugestão de palavras. Mesmo com teclas que saltam em um popup de indicação quando pressionadas, a digitação não flui bem, mas isso é principalmente culpa da tela.

Como era de se esperar, o display resistivo não tem boa sensibilidade, além de não suportar multitoque e ter baixa resolução de apenas 480 x 800. Para piorar a situação, a tela de proteção é espessa, o que obriga o usuário a aplicar mais pressão para fazer a tela de toque reagir. Ela também não é oleofóbica, o que significa que o V9 vai juntar mais digitais que um agente do CSI.

O V9 é tem um design bem simples e o material de construção não inspira muita confiança. Um detalhe um pouco inconveniente é que o usuário precisa remover a bateria para inserir o cartão SIM e o microSD.

Guia de compras

///

Reviews relacionados

///

E-readers e tablets

Xoom é a Ferrari dos tablets

10/05/2011

Armado com Android 3.0 e configuração forte, tablet faz frente ao iPad 2

Review completo »
8.6/10
1899.00 reais

E-readers e tablets

PlayBook tem ótimos recursos e praticidade

21/07/2011

Tablet BlackBerry apresenta vários pontos fortes, mas loja peca no número de apps

Review completo »
8.1/10
1800.00 reais

Comentários

///
10 Impecável. O produto é perfeito. Não há nada a ser melhorado.
9,0 - 9,9 Ótimo. Qualidade excepcional. É difícil, mas não impossível, aperfeiçoar alguma coisa.
8,0 - 8,9 Muito bom. Satisfaz as necessidades do usuário e é bastante superior à média do mercado.
7,0 - 7,9 Bom. Atende bem às necessidades do usuário, embora tenha alguns pontos fracos.
6,0 - 6,9 Médio. Seus pontos fortes superam as falhas e ele atende à maioria das necessidades.
5,0 - 5,9 Regular. Pode ser uma solução satisfatória para alguns usuários.
4,0 - 4,9 Fraco. Embora possa ser útil em algumas situações, o produto tem problemas substantivos.
3,0 - 3,9 Muito Fraco, As falhas são graves, anulando os eventuais pontos fortes.
2,0 - 2,9 Ruim. Não há atrativos a destacar; só pontos fracos.
1,0 - 1,9 Bomba. O produto é tão ruim que é difícil achar utilidade para ele.
0 - 0,9 Lixo. Você não deve aceitar esse produto nem de graça.