Sistema faz computador ter inteligência emocional

• domingo, 23 de junho de 2013 - 11h04
Agência EFE
computador emoçãoAs emoções humanas não são apenas interpretadas pelas máquinas mas também um fator importante na hora de se fabricar qualquer tipo de software.

São Paulo - Um jogador de pôquer, atividade que exige uma percepção de detalhes e gestos dos oponentes assim como a ocultação dos próprios sentimentos, teria poucas chances de ganhar de um computador, não apenas por sua grande capacidade de cálculo, mas porque agora eles são capazes de desvendar a psique humana. 

Cientistas das universidades espanholas Carlos III (Madri) e de Granada desenvolveram um sistema que permite ao computador reconhecer o estado de ânimo da pessoa que se comunica oralmente com a máquina, o que pode adequar sua resposta aos sentimentos do usuário. 

"Graças a esse avanço, a máquina poderá determinar como se sente o usuário e como pretende continuar o diálogo", explica um dos criadores do programa, David Griol, professor da Universidade Carlos III. 

Detecção automática de emoções - Para detectar o estado emocional do usuário, os cientistas se concentraram nas emoções negativas, como o enfado, o cansaço e a dúvida, que podem ocorrer quando uma pessoa se frustre ao falar com um sistema automático, 
"Para detectá-las automaticamente, utiliza-se informação sobre o tom de voz, a velocidade com que se fala, a duração das pausas, a energia do sinal de voz e mais uma série de fatores, que completam 60 parâmetros de análise", diz Griol. 

"O fato do sistema não reconhecer bem o que o interlocutor deseja ou que tenha pedido para que ele repita informação são fatores que podem fazer a pessoa se aborrecer ao interagir com a máquina", apontam os pesquisadores das duas universidades. 

Além disso, os cientistas afirmam que o importante é a máquina prever como vai se desenrolar o resto da conversa. "Para isso, desenvolvemos um método estatístico, que aprende com diálogos anteriores quais são as reações mais prováveis que os usuários podem ter", destacam.
Quando são detectados tanto a emoção como a intenção, os cientistas dizem que o computador deve adaptar automaticamente o diálogo ao estado do usuário: "por exemplo, se ele tem dúvidas, pode-se fornecer uma ajuda mais detalhada". 

Últimas notícias de Extras

///

Comentários

///

Whitepapers

///