27/11/2013 09h56 - Atualizado em 27/11/2013 09h56

EUA se preparam para dia de Ação de Graças e Black Friday

Getty Images
black friday

Os Estados Unidos se preparam para as grandes promoções do fim de semana de Ação de Graças, cruciais para os comércios e uma economia norte-americana que depende, em grande parte, do consumo.

Comemorado na quinta-feira com um feriado, o dia de Ação de Graças será seguido pela Black Friday, caracterizada por descontos monstruosos, multidões nas lojas e uma feroz guerra comercial.

Contudo, este ano, as grandes redes de distribuição não esperaram as datas e ofereceram promoções antecipadas, com a esperança de conquistar uma parcela dos 600 bilhões de dólares que os norte-americanos devem gastar em compras de fim de ano.

Desde a sexta-feira passada, o número um das vendas varejistas, Walmart, que acaba de anunciar uma mudança de chefia, pôs à venda televisões de 82 cm (cerca de 32 polegadas) a menos de 100 dólares e jogos com 50% de desconto.

"A Black Friday é nosso 'Super Bowl' e temos a intenção de ganhar", afirmou o encarregado de marketing do grupo, Duncan Mac Naughton, se referindo ao principal evento de futebol americano nos Estados Unidos.

Seu concorrente Target, assim como o gigante das vendas online Amazon, seguiram o exemplo para não ficar para trás.

"A Black Friday em si não é garantia de sucesso, mas é evidente que se você ficou para trás na Black Friday, será muito difícil preencher a lacuna", disse Michael Exstein, especialista em comércio varejista do Credit Suisse.

Algumas cadeias apostam mais que seu prestígio. JC Penney, submersa em grandes dificuldades financeiras, lutará para conseguir boas vendas em suas 1.100 lojas e assim garantir sua sobrevivência, depois do fim de semana de Ação de Graças de 2012 não abrir suas portas e pagará as consequências.

Incertezas sobre o consumo

Para não atrapalhar a degustação da tradicional ceia nas reuniões familiares, muitas lojas abrirão durante a quinta-feira durante toda a noite.

A rede Kmart, filial do grupo Sears, abrirá as portas de suas lojas na quinta-feira às 06H00 da manhã e não voltará a fechar em 41 horas. A JC Penney prevê deixar os compradores entrar às 18H00 e também funcionará durante toda a noite.

Com uma estratégia mais prolongada, o grupo de venda de equipamentos eletrônicos Best Buy se comprometeu a manter suas promoções até 25 de dezembro e reembolsará os clientes que comprarem artigos que sejam rebaixados ainda mais depois dessa datas.

"Temos a obrigação de competir e é exatamente o que vamos fazer", declarou o diretor executivo da Best Buy, Hubert Joly.

Mas qualquer que seja a estratégia, todas as lojas terão a mesma incerteza: os norte-americanos estarão dispostos a abrir suas carteiras?

As receitas estagnadas e as batalhas orçamentárias em Washington poderiam frear certos caprichos.

Os consumidores "se darão a satisfação de comprar certos produtos", mas ao mesmo tempo reduzirão seus gastos em outros setores, alerta Chris Christopher, analista do gabinete IHS Global Insight.

Seu colega Michael Exstein é menos pessimista e considera que os consumidores comprarão não só o que precisam, mas também o que desejam. "Em geral, os consumidores se sentem um pouco melhor", afirma.

Contudo as cifras econômicas ainda não refletem esta realidade: segundo um indicador da universidade de Michigan, a confiança dos consumidores norte-americanos caiu novamente em novembro, pelo quarto mês consecutivo.

Comentários

///

Ações high tech

///
Altas
Baixas
Volume
Preço x Volume
  Código Preço Oscilação (%)  
1 TOTS3 33.77 3.68
2 BEMA3 8.78 5.15
3 IGBR3 2.61 5.24
4 TELB4 1.32 10.00
5 CARD3 2.74 3.79
6 IDNT3 1.79 5.92
7 POSI3 2.15 2.38
8 INEP4 0.15 7.14
9 TMAR6 0.00 0.00
10 TNLP1 0.00 0.00
Ver todos »