13/01/2014 18h49 - Atualizado em 13/01/2014 19h12

Globos solares são capazes de captar energia até da Lua

Divulgação
Rawlemon

Painéis solares são conhecidos por serem pouco eficientes e por terem um design não muito agradável. Os globos solares Rawlemon buscam mudar essa história, oferecendo uma tecnologia até 70% melhor na captação de luz do Sol e ainda um formato belo que pode ser considerado até mesmo o de um artigo de decoração para a sua casa.

Os aparelhos da Rawlemon podem captar até mesmo a energia solar refletida pela Lua. O projeto é do alemâo André Broessel, que começou a trabalhar no produto há três anos com o objetivo de baratear e tornar mais eficiente captura da energia advinda do Sol.

O conceito do novo aparelho é relativamente simples. Ele é uma esfera de vidro perfeita que faz a refração da luz em um raio concentrado. Para seguir a movimentação do Sol durante o dia, o Rawlemon conta com um microrastreador que segue o astro em sua percurso diário de leste a oeste. O mesmo se aplica quando o produto é usado à noite."É uma oportunidade única de coletar enegia em uma situação em que outros sistemas falham", de acordo com a descrição do projeto.

Após a captação, a energia é armazenada em baterias que podem abastecer a seu casa ou até mesmo um restaurante, segundo os criadores.

solar

"Estamos concebendo produtos autônomos que podem concentrar a luz mesmo em um dia nublado, que estão gerando energia onde quer que você esteja. É energia grátis", disse Broessel ao Gizmodo.

globo

O projeto de Broessel fez sua estreia na plataforma de financiamento coletivo IndieGoGo recentemente, com a meta de arrecadar 120 mil dólares, cerca de 282 mil reais. Até o momento, o projeto conseguiu pouco mais de 4 mil dólares, aproximadamente 9.400 reais. Ainda há mais 26 dias de campanha de captação de fundos.

A versão beta do produto sai por 150 dólares (354 reais), mas a contribuição mínima para apoiar a iniciativa é de 1 dólar (2,38 reais). Se a meta financeira não for atingida, o dinheiro é devolvido aos apoiadores.

 

 

Comentários

///