terça-feira, 7 de dezembro de 2010 - 15:48

5 conceitos de marketing na Era Digital

“Marketing é atividade humana dirigida para satisfazer necessidades e desejos por meio de troca”. Esse conceito, do professor americano Philip Kotler, é citado no livro Marketing na Era Digital (Ed. Novatec), da também educadora e empresária Martha Carrer Cruz Gabriel, engenheira formada pela Unicamp.

Essa é a forma simples e completa de definir a essência do marketing, segundo a autora. Marketing que ganha cada vez mais importância agora na Era Digital. A seguir, relacionamos cinco conceitos de marketing nos novos tempos, presentes no livro de Martha Carrer.


1 – Necessidade de troca

Para um produto manter seu sucesso ao longo dos tempos, se faz necessário estar atento às mudanças e estar aberto a elas. Por exemplo, o produto enciclopédia impressa atendia à necessidade de informação antes da era da internet. Hoje, a necessidade de informação permanece, contudo o produto enciclopédia impressa não atende mais a essa necessidade e, então, passou a ser substituído pelas enciclopédias online, caso da Wikipédia, e por toda a base de dados disponível na web.

Com isso, as empresas que fabricavam enciclopédias impressas e mantiveram o foco no produto, mas não na necessidade de informação, foram esmagadas com o surgimento da internet. Já aquelas que tinham foco na necessidade/desejo que elas satisfaziam, migraram para o ambiente digital para seguirem fortes no mercado.

2 – Análise do macroambiente

O macroambiente é composto por forças incontroláveis maiores que afetam o microambiente – forças demográficas, econômicas, naturais políticas, culturais e tecnológicas.

As empresas não têm controle sobre o macroambiente, porque são acontecimentos incontroláveis. Por isso, aquelas empresas que melhor e mais rápido reagirem conseguirão vantagem competitiva no mercado, daí a necessidade de analisar cautelosamente o macroambiente e quais forças dele mais fortemente podem afetar o negócio.

As novas tecnologias dão uma mostra do quanto elas afetam o produto/negócio quando introduzidas no mercado. O ambiente tecnológico é aquele a apresentar mudanças mais rápidas no macroambiente quando comparado aos demais. A introdução do iPhone com suas novas tecnologias, por exemplo, trouxe uma ameaça a todas as empresas fabricantes de celulares e smartphones. Por outro lado, trouxe uma grande oportunidade para desenvolvedores de aplicativos para iPhone e correlatos da plataforma da Apple.

3 – A Era da busca

Google e Yahoo! na web, sistemas de localização GPS, buscas em redes sociais, buscas por lugares e pessoas no Second Life são diária e frequentemente usados por pessoas no mundo para encontrarem o que procuram nos infindáveis nós e rotas informativas.

A participação da busca em nossas vidas diárias tem se tornado tão intensa que a palavra “Google”, principal site de busca da web, já virou verbo na língua inglesa em 2006, no Merriam-Webster’s Collegiate Dictionary. Isso sem contar nos filmes que fazem uso do buscador mais famoso do mundo em cenas em que um personagem tenta obter respostas certeiras na web. Nos enredos dos filmes, o Google é retratado como o caminho para se obter resposta confiável e verdadeira para qualquer necessidade, algo não muito diferente do que ocorre no ambiente virtual da vida real.

4 – O futuro é móvel

Segundo projeção do eMarketer, o gasto com anúncios de mobile no Brasil chegará a 40,9 milhões de dólares em 2012, contra US$ 11,8 milhões deste ano).

Poucos são os países oferecem conexão de internet em alta velocidade a preços acessíveis e populares. No Brasil, a maior barreira são os elevados preços cobrados por conexões 3G, que não permite que a maioria da população as utilize.

Quando isso ocorrer – e será num futuro próximo, conforme o próprio eMarketer –, é certo que experimentaremos uma explosão no marketing mobile.

5 – E-commerce e s-commerce

Apesar de o termo ser relativamente novo, social commerce (s-commerce ou comércio social) é um conceito bem antigo. O comércio existe desde os tempos mais remotos e as redes sociais também. O ser humano é social por natureza, e os mercados, por sua vez, são conversas.

A diferença é que nas décadas passadas as redes sociais eram limitadas no tempo e espaço e era preciso uma logística física para articular as pessoas. Hoje, com os muitos avanços das tecnologias digitais de informação e comunicação, banda larga de conexão e tecnologias móveis, o comércio social foi alavancado por meio das redes sociais digitais online e o e-commerce.

Dessa forma, o uso da dimensão social no comércio tornou-se uma estratégia promissora no ambiente digital online. No contexto digital, comércio social (s-commerce) é definido como um subconjunto do comércio eletrônico (e-commerce) que emprega ferramentas colaborativas de redes sociais para ajudar na compra e venda online. Em resumo, e-commerce é a compra e venda online e o s-commerce é a compra e venda online com milhões de pessoas ajudando no processo.

Categorias

Comentários

///

Fãs

///