Estúdio de gravação doméstico

Redação INFO 14 de fevereiro de 2003
Um tutorial para montar um estúdio de gravação de áudio em sua casa

Não é preciso nenhum supercomputador para montar o seu estúdio doméstico. Um Pentium III, com 128 MB, já encara a empreitada. É importante que ele tenha um HD generoso. Numa gravação multipista, cada minuto de uma pista de áudio (e uma única música pode ter até dezenas delas) chega a ocupar mais de 10 MB no disco. O crucial mesmo é a dupla formada por placa de som e software de gravação. As melhores placas sempre vêm acompanhadas por programas à altura. Por isso, o investimento numa placa de som de primeira é inevitável. Só que os modelos profissionais custam caríssimo. Uma alternativa é a Audigy Platinum, da Creative Labs. O preço, aproximadamente 1 000 reais, não é nenhuma pechincha, mas a Audigy Platinum tem recursos à beça. Reproduz áudio com qualidade de 24 bits/96 KHz e grava em 16 bits/48 KHz. Tem entradas e saídas RCA, MIDI, SPDIF e ópticas que dividem espaço no painel frontal.

A Audigy conta com suporte a ASIO. Desenvolvida pela Steinberg, a tecnologia ASIO (Audio Stream Input/Output) é uma biblioteca específica para drivers de áudio. Hardware e software compatíveis com o padrão apresentam um desempenho muito melhor em gravações multipista. O pacote de programas vendido com a Audigy Platinum inclui o ótimo Cubasis VST, da Steinberg. Neste tutorial, vamos mostrar como montar o seu estúdio com a dupla Audigy Platinum e Cubasis.
Dicas relacionadas:
Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia

Comente essa notícia

Estúdio de gravação doméstico

14 de fevereiro de 2003


Não é preciso nenhum supercomputador para montar o seu estúdio doméstico. Um Pentium III, com 128 MB, já encara a empreitada. É importante que ele tenha um HD generoso. Numa gravação multipista, cada minuto de uma pista de áudio (e uma única música pode ter até dezenas delas) chega a ocupar mais de 10 MB no disco. O crucial mesmo é a dupla formada por placa de som e software de gravação. As melhores placas sempre vêm acompanhadas por programas à altura. Por isso, o investimento numa placa de som de primeira é inevitável. Só que os modelos profissionais custam caríssimo. Uma alternativa é a Audigy Platinum, da Creative Labs. O preço, aproximadamente 1 000 reais, não é nenhuma pechincha, mas a Audigy Platinum tem recursos à beça. Reproduz áudio com qualidade de 24 bits/96 KHz e grava em 16 bits/48 KHz. Tem entradas e saídas RCA, MIDI, SPDIF e ópticas que dividem espaço no painel frontal.

A Audigy conta com suporte a ASIO. Desenvolvida pela Steinberg, a tecnologia ASIO (Audio Stream Input/Output) é uma biblioteca específica para drivers de áudio. Hardware e software compatíveis com o padrão apresentam um desempenho muito melhor em gravações multipista. O pacote de programas vendido com a Audigy Platinum inclui o ótimo Cubasis VST, da Steinberg. Neste tutorial, vamos mostrar como montar o seu estúdio com a dupla Audigy Platinum e Cubasis.
|quebra|
1. Com a placa e o programa instalados e o instrumento de sua escolha plugado, é preciso verificar se a entrada está ativa. Na tela principal do Cubasis, entre no menu Audio, clique em System e logo depois em ASIO Device. Nas opções apresentadas, selecione ASIO Multimedia Driver. Em seguida, pressione o botão ASIO Control Panel e confira se o status indica que a entrada está ativa. Caso não esteja, clique em Advanced Options e Run Simulation para que seja feito um diagnóstico do hardware. Voltando para a tela principal, você verá as pistas de áudio e o painel de controle, com botões para tocar, parar, gravar, avançar e voltar. Em cada pista é possível gravar um instrumento ou encaixar um sampler diferente.

2. Outro detalhe importante. Logo após um trecho de silêncio na pista, que serve para que o músico tenha tempo de acionar o software e se preparar para começar a tocar, por padrão, o programa abre apenas um intervalo equivalente ao tempo de um compasso de notação musical para receber a gravação. Esse espaço pode ser regulado por meio dos marcadores L e R, localizados na régua de tempo sobre as pistas. L indica o início do trecho liberado, e R, o final. Para movê-los, use os botões esquerdo (L) ou direito (R) e arraste-os.

3. Se você pretende fazer algo na linha violão e voz, ative o metrônomo clicando no botão Click, no painel de controle. Isso será o suficiente para ajudá-lo a não sair do tempo. Para vôos mais altos, é preciso montar sua banda de apoio, inserindo uma base de bateria ou mesmo a cozinha completa, adicionando também o baixo. A maneira mais prática para tanto é importar samplers e loops de programas como o FruityLoops ou mesmo baixá-los pela web. Além daqueles já prontos, o usuário também pode usar o FruityLoops para arregaçar as mangas e personalizar seu set de bateria e caprichar nas viradas ou colocar todo seu suingue em ação na composição das linhas de baixo. Apenas lembre de salvar tudo em Wave, que será o padrão com o qual trabalharemos, apesar de o Cubasis também manusear MIDIs. De volta ao Cubasis, importe cada sampler ou elemento direto para sua própria pista. Vá ao menu File e, em Import Audio File, indique o arquivo em Wave. Antes de abrir o sampler, o programa pergunta se pode converter o arquivo usando a mesma taxa de amostragem utilizada nas outras pistas. Não discuta, concorde. O sampler será colado na posição inicial da pista determinada pelo marcador L. A partir daí, você pode usar os comandos de recortar, copiar e colar para editar a pista se necessário.
|quebra|
4. Conforme cada elemento é introduzido, vá verificando como está ficando a obra. A forma mais prática é usar os atalhos de teclado. O 0 (zero) posiciona o cursor no início da pista; o Enter funciona como play; e a tecla * (asterisco) aciona a gravação. Se as bases já estiverem afinadas, é hora de dar Play, correr para sua guitarra e tocar junto com sua banda virtual. Após os inevitáveis ensaios e ajustes finos, para registrar sua performance, basta acionar o botão Rec e começar o show. Nessa etapa não é preciso se preocupar em demasia com ajustes de volume ou mesmo com pequenos erros de execução. As falhas podem ser corrigidas na mesma pista, apenas deslocando o marcador para o momento em que você atravessou o ritmo e gravando novamente a partir daquele trecho.

5. Os ajustes de volume, aplicação de efeitos e distribuição de som nos canais das pistas são feitos na etapa de mixagem. Para abrir a mesa de gravação virtual, vá até o menu Audio e clique em VST Channel Mixer. Na mesa, cada pista pode ser editada e eqüalizada separadamente. Pelo botão Insert, é possível aplicar efeitos como distorção, eco, delay etc.

6.
Com tudo gravado e mixado, o passo final é salvar a música. Para isso, na mesa de gravação, clique em Export Audio e indique a pasta de destino para o arquivo em Wave. O arquivo estará com dezenas de megabytes. Se o micro tiver um CD-RW, você já poderá gravá-lo em CD junto com outras faixas ou mesmo convertê-lo para MP3.

>> Troque dicas e informações e esclareça dúvidas no Fórum INFO.